Dirigentes do setor de Cultura da Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG)se reuniram nesta terça-feira em Ipiranga para conhecer mais um prato que fará parte do ‘mapa gastronômico’ da região. Lá, o prato apresentado, e saboreado, foi o carneiro no sal fino. O primeiro município a apresentar seu prato foi o de Palmeira, que levou os gestores da AMCG Cultura para degustar o Pão no Bafo, que, além de prato típico, é tombado como bem imaterial do município. “Estamos apresentando, e também descobrindo a identidade gastronômica dos municípios, para compor um novo projeto, chamado ‘Sabores dos Campos Gerais’”, adianta o coordenador da AMCG Cultura, o secretário de Cultura, Turismo, Patrimônio Histórico e Relações Públicas de Palmeira, Waldir Santos Joanassi Filho.

O resgate histórico será peça chave do projeto ‘Sabores dos Campos Gerais’, característica que já pode ser percebida nos primeiros pratos degustados pelos gestores da região. O Pão no Bafo veio com os imigrantes alemães do Volga;e o carneiro no sal fino, da época dos tropeiros, conforme a secretária de assistência social de Ipiranga, Vera Lucia Florindo. “O carneiro acompanhava os tropeiros em suas viagens. E quando pausavam para descanso, o matavam na hora e colocavam direto no fogo”, explica, confidenciando que o segredo do prato de seu município é que a carne deve ser fresca. “Nada de ir para a geladeira para não perder a textura”, avisa.

Na reunião desta terça-feira, outros municípios já contaram como anda seu resgate histórico gastronômico para compor o projeto “Sabores dos Campos Gerais”.  Alguns municípios já contam com pratos típicos, por meio de legislação municipal, e bem representativos, como é o caso de Ponta Grossa e de Telêmaco Borba, por exemplo, que contam com a ‘Alcatra no Espeto’, e o ‘Entrevero de Pinhão’, respectivamente. Piraí do Sul também conta com legislação municipal, mas de sua bebida típica, a ‘Cabriúva’ – que tem como base o vinho e a gemada. Com forte colonização ucraniana, o município de Ivaí pensa em tombar como bem imaterial, o seu famoso pirogue.

Outros municípios estão realizando um resgate junto a sua população. Em Tibagi, uma das atrações da Semana da Consciência Negra, que terá início no dia 13 e novembro, será a divulgação do saber fazer da ‘Paçoca de Carne’, com atividades nas escolas, inclusive. “Realizando pesquisa junto a comunidade, descobrimos ainda, além da paçoca de carne e do bolinho de polvilho que já são famosos, a ‘carne de tacho guartelá’”, conta o diretor de Cultura,  Sidnei Bielski.

Na cidade aonde o mel é conhecido por sua pureza, pratos a base dele estão sendo ‘buscados’. Além da referência do mel, o diretor de Cultura Jackson Benites, conta que está procurando referências também dos povos indígenas. Ortigueira conta com a localidade de Queimadas, área dos índios Kaingang.

Castro também fará o resgate junto a sua população. Conforme a diretora, Amelia Podolan Flugel, está sendo elaborado no município um novo guia turístico, e para isso já está sendo feito um levantamento, com um questionário para a população. “A identidade gastronômica da comunidade será abordada”, ressalta.

Receitas

O projeto ‘Sabores dos Campos Gerais’ será finalizado com a publicação de um livro com as receitas e a história de cada um dos pratos escolhidos como identidade dos municípios. Além das receitas, o livro contará com fotografias da própria comunidade. Para isso cada Prefeitura dos 19 municípios da AMCG está preparando Concurso com o tema gastronomia. Os pratos serão apontados por cada uma das Prefeituras.