As urnas das eleições 2018 que serão utilizadas em Palmeira e Porto Amazonas estão sendo preparadas e lacradas durante todo o dia (27). O processo teve início às 7h e segue até 19h da noite.

Segundo dados do Fórum Eleitoral, a 13ª Zona Eleitoral, está composta da seguinte maneira:Palmeira com 87 seções e Porto Amazonas com 12 seções, um total de 99 urnas que serão preparadas.

Conforme informou o Chefe do Cartório Eleitoral, Adilson Severino da Silva, 10 urnas ficarão de reserva para Palmeira e nove urnas de reserva para Porto Amazonas, no caso de algum problema técnico.

O Chefe do Cartório explica nesta preparação é colocado em cada urna um flash de carga, além dos nomes dos eleitores e candidatos de cada seção. Também são realizados testes de teclado e visor da máquina. Após esse processo, as urnas são fechadas com lacre assinado pelo promotor e juíza, em locais sensíveis da urna, em que há possibilidade de adulteração, justamente para evitar qualquer fraude. “A urna depois é identificada com a seção do município, tanto na caixa, como na própria urna e depois de lacrada, ela é reservada até a véspera da eleição, quando é entregue nos locais de votação tanto daqui como de Porto Amazonas”, explica Adilson.

Para evidenciar a transparência deste processo, qualquer pessoa pode acompanhar a preparação das urnas para as eleições.

A confiança nas urnas eletrônicas constantemente está em discussão. Com as redes sociais e o grande número de fake news, as notícias falsas, torna-se ainda mais comum a propagação de comentários que colocam em dúvida a credibilidade do sistema eleitoral brasileiro.

Em entrevista ao Noticiário P7 da Rádio Ipiranga, o chefe do Cartório explicou alguns dos procedimentos utilizados para reforçar a confiabilidade e segurança da votação eletrônica que iniciou em 1996. “Um ano antes das eleições o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), convoca profissionais de Tecnologia da Informação (T.I.)  os chamados hackers, para que em um ambiente controlado no TSE eles testem as urnas e tentem violar as máquinas, para ver se encontram alguma irregularidade. Encontrando alguma falha, alguma vulnerabilidade nas urnas, o TSE prontamente realiza as correções”, conta Adilson.

Nesta quinta-feira (27), também se realiza a auditoria das urnas. “No fim dessa carga e lacração somos obrigados a fazer uma votação simulada, com no mínimo três urnas. O resultado é impresso e conferido com a presença da juíza e promotor. Depois disso guardamos esse documento em uma ata para comprovar que foi feito o teste, damos carga e arrumamos novamente essa urna para ser mandada no lugar de seção”, comentou o Chefe do Cartório Eleitoral.

Outro procedimento realizado é a impressão do documento intitulado zerésima. Ele é impresso no dia da votação antes das 8h da manhã para comprovar que antes daquele horário nenhum voto foi digitado naquela urna.

Com o encerramento da votação, é emitido o Boletim de Urna (BU), documento com o nome dos candidatos e os votos que cada um recebeu. O BU é colocado na porta da seção e também distribuído para imprensa, partidos e fiscais, além de ser divulgado no site do Tribunal Superior Eleitoral.

Um fato explicado pelo Chefe do Cartório Eleitoral de Palmeira, é que embora as urnas sejam microcomputadores, elas não possuem conexão a internet.

Em relação aos locais de votação são 33 em Palmeira e três locais para votação no município de Porto Amazonas. Sobre o número de pessoas aptas para votarem nas eleições 2018, Palmeira possui 25.227 eleitores e Porto Amazonas com 3.517 eleitores.