Com mais de 70 anos de trajetória, nos comércios e lares da cidade e do interior, a Rádio Ipiranga de Palmeira se prepara para mais um passo na construção de sua história.

A migração para a frequência modulada (FM)tem sido aguardada por funcionários e ouvintes, afinal, a mudança representa bem mais que uma qualidade melhor na transmissão, mas a oportunidade de alcançar mais ouvintes e assim cultivar essa relação com o público tão importante para nós.

Há 48 anos na equipe da rádio, Euclides Alves de Paula Filho é o responsável por toda a parte técnica no processo de migração para FM. Euclides conta que o debate sobre essa transição existe há cerca de 5 anos, mas que nos últimos 24 meses, a discussão passou a se concretizar. De acordo com o técnico, trata-se de um processo burocrático e que por isso demanda tempo.

Ao explicar sobre essa preparação para FM, Euclides comentou o grande investimento que vem sendo feito pela Fundação Nossa Senhora Imaculada Conceição. “Todos equipamentos que estou montando aqui hoje são todos novos. Inclusive os microfones, porque a qualidade começa pelo microfone”, explicou o técnico ao contar que os equipamentos  são americanos e de primeira linha. “Estamos gastando um dinheiro que às vezes nem temos, porque uma coisa puxa a outra. Você compra um objeto, daí falta outro. Depois temos que ficar pensando em orçamento e a Rádio Ipiranga vive só de publicidade”, relatou o profissional.

O técnico acredita que a transição para FM se concluirá em cerca de 3 meses, uma vez que um novo estúdio está sendo construído. Euclides conta que muitas pessoas o questionam sobre a programação da Rádio Ipiranga FM. É fato que mudanças estão por vir. Reuniões estão sendo feitas com a diretoria e há possibilidade de alguns programas deixarem de existir e o surgimento de novas atrações. No entanto, nem os funcionários imaginam como será essa nova programação. “É uma coisa que chama a atenção, as pessoas querem saber o que vai acontecer com a Rádio Ipiranga. Quando estou na rua todo mundo quer saber, a curiosidade é muito grande”, comenta Euclides.

Entre as vantagens dessa mudança, o técnico destaca a qualidade no som, porém lembra que ainda não há como prever a potência do alcance. “O AM é muito suscetível a ruídos, ruídos de lâmpadas, computadores, todos os itens que temos em um estúdio gera ruído e o FM é muito menos suscetível a isso. Sobre o alcance, vamos primeiro instalar para depois sabermos, porque cada topografia é uma topografia. Acreditamos que vai chegar ao interior e cidades vizinhas”, explicou Euclides.

Outra novidade, já comentada em nossa programação é que sonoplasta e locutor ficarão no mesmo estúdio. Essa alteração mostra como o rádio vem se transformando ao longo dos anos. Sempre se reinventando para estar cada vez mais próximo do seu ouvinte. O técnico, que acompanhou tantas mudanças, fala sobre essa informalidade no rádio. “Era muito formal, a pessoa tinha que ter voz bonita, falar de tal jeito, hoje não, é tudo informal. Tanto é que estamos conversando aqui e ouvimos pessoas em volta conversando também. A beleza do rádio é essa informalidade”, lembrou o profissional.

Em meio a tantas transformações, algo permanece:o empenho da diretoria e funcionários para que a Rádio Ipiranga tenha a melhor programação, sempre priorizando você ouvinte. “Eu acho que a emissora é a alma da cidade. O pessoal que trabalha aqui são pessoas sérias, críveis, tudo que colocamos no ar temos certeza, não vamos mentir para o ouvinte. E a Rádio Ipiranga é sempre a cara do nosso ouvinte. Nós conhecemos eles e eles nos conhecem.  Esse é o segredo do sucesso, desses 70 anos”, finalizou o técnico.

A Rádio Ipiranga 91,7 FM está chegando e esperando continuar juntos  na melhor sintonia!Fotos:Elder Scolimoski