Hoje (10)  completa quatro meses que policial palmeirense Robson Antonio Gulhinski foi baleado e atropelado em Curitiba. O PM continua no Hospital Cajuru com quadro sendo acompanhado também pelo Hospital da Polícia Miliar.

Segundo informações de sua esposa, a professora Josiane Kauka, que está de licença para cuidar do marido, ainda não há uma data para que ele tenha alta. A previsão depende de como Gulhinski irá responder aos antibióticos que está usando. Além disso, é necessário que outros exames sejam refeitos.

A esposa informou que ele ainda não está se comunicando, no entanto tem consciência do que acontece e das pessoas que estão com ele.

Ela contou que o policial tem necessitado cada vez menos da ajuda da máquina de oxigênio. “Ainda temos uma longa caminhada para tentar reabilitar sua parte neurológica, mas estamos dispostos a fazer tudo para garantir a ele uma qualidade de vida. Acreditamos muito nele, na sua força e persistência em querer superar tudo isso”.

Josiane agradeceu ao comando da banda da Polícia Militar e seus integrantes por todo o auxílio. “Todos têm se mostrado uma grande família para meu esposo”, exclamou a professora.