O início do ano letivo é um momento importante para crianças e adolescentes. Especialmente para aqueles que vão para a escola pela primeira vez. Para entender mais sobre essa nova etapa a psicopedagoga Dayane Letícia Sviech deu algumas dicas para compreender melhor esse processo. “Temos que considerar que o início do ano letivo para a criança que está ingressando pela primeira vez é um pouco assustador. São pessoas estranhas que vão estar lá, são novas regras que a criança vai ter que conviver e na maioria das vezes a criança acaba ficando insegura.”

A profissional também destacou a insegurança dos pais com filhos na escola pela primeira vez. “Eu acredito também que a insegurança maior vem dos pais. Os pais precisam tentar não mostrar essa insegurança, tentar se conter ao máximo,  não chorar na frente da criança”.

Em relação as crianças que não reagem bem ao início da vida escolar, Dayane indica que a importância da paciência e diálogo. “A criança pequena demonstra medo, frustração e insegurança através do choro. Então se a criança começar a chorar para ir para a escola é bacana você não forçar. Mas sim sentar, conversar, tentar explicar que a escola é importante, tudo no diálogo, com bastante calma e paciência. Vão algumas semanas para essa adaptação, mas eu acredito que a escola também há de favorecer esse apoio”.

Outra dica importante que a psicopedagoga destaca é explicar para a criança ao deixá-la na escola que é só um período que ele vai permanecer naquele espaço. “Nunca sair de fininho, a criança sempre tem que saber que o pai vai voltar, que ele vai buscá-la novamente”.

Além disso, torna-se fundamental tentar identificar coisas que a criança gosta dentro da escola, como determinadas atividades e novos amigos, como explica Dayane. Ela também comenta que se após algumas semanas a criança continuar desmotivada, o indicado é procurar um profissional, como um psicopedagogo ou psicólogo.

Sobre a participação da família na vida escolar da criança e a adolescente, Dayane define como fundamental.  “A família que participa da vida escolar do seu filho e está presente na escola vai fazer com que a criança sinta-se mais valorizada e segura”, finaliza a psicopedagoga.