Em uma tarde de boas lembranças, homenagens e emoções, foi descerrada a placa que denomina a ala da maternidade DR. Jorge Amin Bacila, na Santa Casa de Palmeira. O médico que dedicou mais de 30 anos de seu trabalho às famílias palmeirenses, e atendeu mais de 11 mil nascimentos, foi homenageado pela direção do hospital.

O presidente do conselho deliberativo da Santa Casa, João Henrique Malucelli Klas, registrou que a reforma da maternidade, que conta com 10 apartamentos, está sendo concluída. Klas fez uma retrospectiva de como aconteceu a recuperação daquele espaço. “O primeiro a ser reformado foi pela Gabi Folheados, o segundo por um grupo de voluntários. Com a venda dos livros do cronista João Marcos Santos Malucelli que teve o prefácio escrito pelo homenageado Dr. Jorge foi reformado o apartamento número 7, além de Sebastião Barausse, David Pianowski, Genilson Bastos e Sueli, o Sindicato Rural de Palmeira, Laboratório Correia &Moraes e Rendicola e o Lions Clube de Palmeira.

O homenageado não pode comparecer devido à problemas de saúde, mas foi muito bem representado pelos familiares. O seu filho, Antônio Roberto Bacila proferiu algumas palavras de agradecimento e lembrou da rotina que o DR. Jorge fazia pelos corredores do hospital e a vontade dele de retornar a atender as pessoas da cidade depois de anos atendendo em Curitiba.

O descerramento da placa foi feito por Solange Bacila Acras e Antonio Acras, respectivamente filha e genro do DR. Jorge Amin Bacila. Os familiares e convidados puderam visitar as estruturas da maternidade e conferir os apartamentos e leitos reformados.

Dr. Jorge Amim BacilaNasceu em Palmeira, no dia 01 de dezembro de 1920, filho de Amim e Victória Bacila. Seu pai, Amin Bacila, migrou da Palestina para o Brasil aos 14 anos de idade, radicando-se em Palmeira.

Aos quatro anos de idade, Jorge foi atingido pela epidemia de varíola, o que resultou em perda auditiva total. De imediato foi iniciado no treino da leitura labial, por sua mãe.

Frequentou o ensino primário no Colégio Imaculada Conceição e o secundário no Colégio Jesuíno Marcondes, ambos na cidade de Palmeira. Posteriormente foi interno do Liceu Rio Branco, em Curitiba.

Em decorrência da deficiência auditiva, transpôs os ciclos escolares com extrema dificuldade, tendo recebido, em todo o ensino básico e médio, valiosa atenção complementar por parte da professora Maria Nicolas que lecionava na comunidade do Lago, até o seu ingresso no curso superior.

Iniciou o curso de medicina em 1941, na Universidade Federal do Paraná. Em 1945, transferiu-se para a cidade do Rio de Janeiro, formando-se pela Faculdade Fluminense de Medicina, em 1947.

Por 30 anos, prestou inestimável atendimento de saúde pública, clínica geral, cirúrgico e obstétrico aos munícipes de Palmeira, Porto Amazonas e São João do Triunfo.

Prestou assistência ao nascimento de aproximadamente 11 mil crianças. Em 1976 transferiu-se para a cidade de Curitiba, onde exerceu a medicina por mais 34 anos.

Encerrou suas atividades profissionais em setembro de 2010, aos 90 anos tendo praticado os 63 anos da sua profissão, contando com a leitura labial. Em dezembro de 2015 recebeu a Comenda da Ordem Estadual do Pinheiro. Completou 97 anos em 2017.

Em sua homenagem, receberam o nome “Jorge Amin Bacila” os seguintes estabelecimentos públicos:ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO e a UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR, ambas na cidade de Palmeira.

Com informações da Santa Casa e de Gilberto Bastos.Fotos:Elder Scolimoski.