Nesta terça-feira (28)  a Secretaria de Meio Ambiente realizou um dia direcionado para o treinamento de funcionários e pessoas operantes com a  coleta seletiva de resíduos do município. As atividades também tiveram o objetivo de  conscientizar a população em geral sobre a importância da separação correta e coleta dos resíduos orgânicos e recicláveis.

A ação foi realizada em parceria entre a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Instituto Águas do Paraná, Itaipu Binacional e Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre). Separou em três momentos, onde dois primeiros aconteceram no Clube Palmeirense, destinados para catadores de materiais recicláveis, educadores e técnicos. Além do conhecimento teórico os participantes, participaram de ações culturais e interativas realizados no segundo momento. Todas as atividades foram conduzidas por artistas do Espaço “Sou Arte” e técnicos da Unilivre.

Capacitação

No período da tarde, o Clube Palmeirense reuniu centenas de profissionais que trabalham com a coleta de materiais recicláveis, educadores e técnicos. Eles participaram de palestras e ações culturais e interativas que visaram conscientização e a capacitação em relação a coleta seletiva.

A primeira ação foi voltada aos coleta de materiais recicláveis e agentes socioambientais, no qual os técnicos da Unilivre abordaram a metodologia de trabalho e a importância da utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). No segundo momento profissionais das áreas da educação e da saúde receberem informações sobre a importância da coleta seletiva, da separação adequada dos resíduos sólidos e sobre o próprio Sistema Integrado de Coleta Seletiva.

De acordo com José Przybysewski, secretário Municipal de Meio Ambiente, “as ações realizadas durante todo o dia ajudam a conscientizar os palmeirenses quanto a importância da reciclagem”. Ele também revelou que no quadro urbano do município, apenas 50%de todo o material reciclável é separado pela população e destinado ao local correto. “Os outros 50%de recicláveis, devido a não separação do material através dos munícipes, são encaminhados ao aterro, o que diminuiu a vida útil do local”, disse.

O secretário ainda explicou que “atualmente cada célula do aterro sanitário de Palmeira dura de 12 a 15 meses, sendo que foram projetadas para durar cinco anos, caso recebam apenas material não-reciclável. Para preparar e abrir uma célula nova são investidos R$ 200 mil e no período de cinco anos, por exemplo, onde deveríamos abrir só uma, temos que abrir quatro ou cinco células devido a grande quantidade de material reciclável que é destinado ao aterro”, comentou.

Espetáculo Musical traz mensagem importante sobre “Sistema Integrado de Coleta Seletiva”

Com o espetáculo teatral “Juliana e Romão:Um caso de separação” tratando de assuntos relacionados as atividades do ‘Sistema Integrado de Coleta Seletiva’, através dos artistas do Espaço “Sou Arte”, trouxeram aos palmeirenses um mundo fantástico, repleto de musicalidade, dança, cor, sensações, e principalmente muita conscientização.

Juliana, uma moça da classe média, filha de mãe consumista, e desconectada com a importância do consumo consciente e separação correta dos resíduos. Romão, humilde, filho de um catador de reciclável que utiliza dos descartes como forma principal de renda para sustentar sua família. Ambos, com uma vontade de realizar um futuro melhor, através de pequenas mudanças diárias no cotidiano das pessoas.

O enredo ganha forma quando ambos, aprofundam-se através do conhecimento sobre as formas de separação e destinação dos resíduos. Ela leva para seu círculo familiar e vizinhos do condomínio, a conscientização sobre. Já ele, busca na fonte de renda da família, conscientizar seu pai e demais coletores, sobre as vantagens do associativismo e organizações coletivas de catadores, visando um trabalho mais qualificado, e digno, com parceria, entre empresas públicas, privadas e cidadãos.

Toda essa história regada a informação, ganha forma, em uma mensagem musical, com o planeta pedindo socorro, a fauna gritando por ajuda, a flora entrelaçando entre as fendas que restam, com um leve puxão de orelha, plantando na cabeça de cada um, que podemos fazer um amanhã melhor com atitudes simples.

Fotos:Daymon Grocheviski